VÍDEO: Como Andam os Quilombos do Rio em Tempos de Pandemia?
2115
post-template-default,single,single-post,postid-2115,single-format-video,theme-stockholm,qode-social-login-1.1.3,qode-restaurant-1.1.1,stockholm-core-1.2.1,woocommerce-no-js,select-theme-ver-5.2.1,ajax_fade,page_not_loaded,popup-menu-fade,header_top_hide_on_mobile,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive

VÍDEO: Como Andam os Quilombos do Rio em Tempos de Pandemia?

Como a pandemia tem impactado os quilombos urbanos do Rio de Janeiro? Qual a importância destes espaços para preservar a memória e como ferramentas de resistência?

Os quilombos nos mostram a importância de olhar para o passado para poder pensar o futuro. Carregadores de história e sabedoria, também são locais de resistência e autonomia. Os quilombos urbanos do Rio de Janeiro compõem uma parte essencial da cidade. Venha ouvir de lideranças dos cinco quilombos urbanos do Rio de Janeiro que valorizam e defendem seu direito à memória para criar soluções para o futuro. Nesta memória, a conexão entre a África e o Brasil serve como raíz para entender a cidade.

Participe desta aula pública com lideranças quilombolas do Rio de Janeiro e entenda como andam seus territórios em tempos de pandemia:

  • Luiz Sacopã, Quilombo Sacopã
  • Adilson Almeida, Quilombo do Camorim
  • Gizele Mesquita Martins, Quilombo Cafundá Astrogilda
  • Barbara Guerra, Quilombo de Marambaia

 

Mediação: Bruno Almeida, NOPH – Ecomuseu de Santa Cruz

Este evento faz parte do Circuito Urbano 2020 e será transmitido ao-vivo pela ONU-Habitat.

Live organizada pelo Grupo de Trabalho de Memória e Cultura da Rede Favela Sustentável.

Apoio: Fundação Heinrich Böll Brasil